A LAGARTA , A BORBOLETA E O CRISTÃO

A LAGARTA , A BORBOLETA E O CRISTÃO

Quando enxergamos uma borboleta solta no ar, sendo levada pela brisa, e suavemente pousando em uma flor, não imaginamos diante de tanta graciosidade o que ela passou para chegar a esse ponto em sua vida.

Uma lagarta, e de repente esse bichinho esquisito nos começa a mostrar um trajeto incrível, entendendo como começa e termina sua vida, nos faz começarmos a acreditar mais no sobrenatural de Deus..

A vida desse bichinho tem muito haver com a bíblia, e coo o que Jesus ensinava, pois antes de nascer uma linda borboleta, a lagarta tem que sair de cena, e deixar nascer o que sempre tinha que viver, a borboleta.

A lagarta é só um estagio, o fim é a luxuosa e fabulosa dançarina do ar a borboleta.

Essa historia tem algumas coisas parecidas com o ser humano, o homem para encontrar seu real sentido de viver tem que se descobrir em Cristo, e para nascer em Cristo, deve passar por uma metamorfose como acontece com a borboleta, nós porém, de um mero pecador a discípulo de Jesus pela palavra.

Um dia fomos tão vorazes como uma lagarta, o pecado era nosso grande alimento, até que descobrimos que tínhamos uma direção melhor, um rumo a escolher, uma espécie de caminho que nos leva a uma metamorfose, que devemos  passar em nossa vida, se tão desejamos ser muito mais do que um bichinho esquisito, como na vida de toda lagarta era necessária a metamorfose.

Só que precisávamos querer tal mudança, acreditar que a vida que estávamos levando não era a original sonhada pelo criador para nós, o pecado nos levou a uma condição de lagarta, agora era preciso entender isso, e o evangelho nos trouxe essa luz, esse entendimento.

Entender que na verdade eu havia nascido para ser outro bichinho, não aquele que estava sendo mas outro fruto de uma mudança em meu âmago.

Entender que houve uma mudança no meu "Dna", um bloqueio chamado pecado estava e iria me impedir de ser o que eu deveria ser originalmente.

Então esse entendimento, essa luz, me mostrou como deixar de ser esse bichinho devorador de pecados, deixar este estado de vida interior, espinhoso, feio, nojento, escuro e venenoso, e então voltar para o serie do plano original.

Com o evangelho entendemos como o pecado está na essência do ser, lá é que tinha e tenho que lidar e mudar, para isso há uma atitude a se tomar, o de passar por um processo de transformação, que Jesus chamou de novo nascimento, onde o que muda não é a carne em si, mas o espírito.

Quando o espírito, o nosso âmago é recriado pela palavra e o Espírito de Deus, a sua natureza muda para uma parecida com a de Deus, o espírito assume o controle e começa a decidir não ser mais o que insistia ser, mas o que poderia ser, o que originalmente nasceu para ser.

Aqui há um casulo a ser fechado, uma velha vida a ser deixada para trás, uma nova pele vai nascer na transformação da consciência, deixando o veneno virar doçura, o ser voraz por desejos contrários ao correto de Deus, em um agradável ser desejoso de servir a Cristo.

Assim como a lagarta se transforma em uma linda borboleta, pela sabedoria de Deus em nós semeada, o pecador pode se tornar um discípulo de Jesus e andar em graça.

Foi comigo assim, e é com todos os que com Cristo morrem para a velha criatura que ama o pecado.

Mas ao romper do casulo caí em uma armadilha, á dos meus próprios irmãos, fui levado para um viveiro, virei artigo de colecionador, muito parecido com o que aconteceu com José, irmãos que querem ser donos do ar, e monopolizar o reino de Deus aqui na terra em suas mãos, ditar as ordens, não suportam ver uma nova borboleta voar livre pelo mesmo ar, que logo as querem suprimir á religião e dogmas.

Me fizeram achar que a mente por trás da metamorfose era a de um caçador, um espécime de pai controlador e raivoso, algo assim.

Ali fiquei e vivi e me acostumei com aquela vida de bebêlô, mas as ilusões da religião que me aprisionaram, se quebraram.

Se quebraram com o sacolejar da vida, e da verdadeira pessoa por trás da metamorfose, Deus, através de seu filho Jesus Cristo.


Saí atordoado para um novo mundo de recomeço, onde realmente podia ser o que tinha que ser, o que Deus projetou-me para ser, livre, segui-lo como o gira sol segue o calor da luz do sol em sua face, mas a lembrança dos tempos de lagarta, e bebêlô, me fazem querer gritar para quem nesse estagio está e dizer: "caminhar com Deus é mais do que isso, não termine onde você está porquê de qualquer forma, no inferno ou não você não acabará onde foi feito para estar".




Deus abençoe!


Pr. Vagner Cardoso